Notícia

Pregação de Padre Joãozinho (SCJ), reflete sobre o tema do retiro: “Vós deveis nascer de novo (Jo 3,7)”

“Vós deveis nascer de novo”, foi o tema da pregação deste sábado (10), proferida pelo Padre Joãozinho (SCJ), no retiro de Carnaval da Casa Mãe da Comunidade Doce Mãe de Deus e que será a palavra que irá conduzir a reflexão durante todo o retiro.

O padre iniciou sua palestra refletindo sobre o evangelho de João 3, 1-8 conhecida como a conversa de Jesus com Nicodemos, em que Jesus diz a Nicodemos que é preciso nascer de novo. “Mas, na hora Nicodemos não entendeu o que Jesus queria dizer como ele poderia nascer de novo. As vezes a gente ler a palavra de Deus e imagina que está certo. Mas, é o Espírito Santo que tem que nos revelar o que é certo”, disse o sacerdote.

Ao continuar a refletir sobre o capítulo 3 de João, a conversa de Jesus com Nicodemos é uma conversa sobre a água, “que é o Espírito de Deus, que batiza, que faz o homem e a mulher de Deus nascerem de novo”, afirmou.

 

O batismo é um gerúndio e não tempo passado

 

Quando Jesus disse a Nicodemos que ele deveria nascer de novo, Jesus estava tentando lhe dizer o significado do batismo. “O batismo é um gerúndio. Está em movimento, acontecendo, por isso que precisamos nascer de novo, nascer da água e do Espírito. A água é o Espírito que batiza. E o batismo, não é um passado que aconteceu e pronto. Não! O batismo acontece a medida em que nos abrimos a graça de Deus, pois, estamos sempre no caminho”, ensinou o sacerdote.

O sacerdote continuou a reflexão, ao fazer referência a outros capítulos do evangelho de João, em que Jesus fala da água como caminho de vida nova, a exemplo da história da mulher Samaritana (João 4, 4-44), que foi buscar água para o corpo. “Jesus pediu um copo d’água, ela cheia de preconceito, disse a Jesus que eles não podiam conversar por serem de religiões diferentes. E Jesus lhe respondeu: “se você soubesse quem está falando, você quem pediria água para beber” (Jo 4, 10), e começaram a conversar. E naquele momento, Jesus tocou o coração da mulher. Ela experimentou o batismo, se tornou uma nova cristã e missionária pela água do Espírito Santo, que nos leva a nascer de novo”, disse o padre.

O sacerdote concluiu sua pregação, abordando o evangelho de João 1, 14, que segundo ele, “resume toda a palavra de Deus: a palavra se fez carne e habitou no meio de nós. “Essa não é a melhor tradução. Mas, em grego, a tradução diz Sheiknah, armou sua tenda e ficou entre nós”, explicou.  “A palavra tem que entrar em nosso coração e fazer um movimento, pois não sou eu quem falo, é Cristo que fala em mim. Isso é a vida de um batizado, que nasce do Espírito de Cristo. A Palavra de Deus é o que nos batiza, nos torna ‘batizando’, em movimento. A carne, é a eucaristia, Jesus no meio de nós! E a dimensão da tenda, é a Igreja e como Igreja, precisamos nos organizar”, disse o padre.

Por fim, questionou o povo presente: “qual a missão de cada um? O que vocês irão fazer? Se você não assumir sua missão de ser profeta, batizado e rei, de nascer de novo e de fazer a diferença nesse mundo, nada vai mudar, o Brasil não irá mudar e nossa vida de cristão também não mudará”, instigou os presentes e conduziu o povo de Deus a pedir o Espírito Santo, clamando por um novo batismo. Batismo este, que coloque os fiéis em movimento.

 

Da Redação