Notícia

Refletindo a liturgia deste domingo: “O noivo está chegando, Ide ao seu encontro!”

Imagem: Internet

Neste 32° domingo do tempo comum, a liturgia já respira o tempo que está próximo, o advento! Onde será trabalhado em suas reflexões: à espera da vinda gloriosa de Jesus!

O evangelho deste domingo se encontra em Mt 25,1-13. Jesus conta aos seus discípulos uma parábola que narra a história de dez virgens. Separadas em dois grupos, cinco denominadas como previdentes e o outro grupo, com as imprevidentes. Ambas aguardavam à chegada do noivo, pois na tradição judaica, as virgens que são as amigas da noiva, guardavam o cortejo do noivo chegar, para saírem juntos no cortejo dando assim início à celebração do matrimônio. Elas traziam consigo lamparinas porque eram responsáveis pela iluminação do cortejo, até o local onde aconteceriam as núpcias dos noivos. É bela esta analogia que Jesus faz, contando esta parábola, pois assim acontecerá em sua vinda gloriosa, são as núpcias do cordeiro, como nos narra o apóstolo João, no Apocalipse, capítulo 22.

Dando continuidade a narrativa, acontece o inesperado, o noivo atrasa! As amigas da noiva acabam repousando, pois se cansavam na longa espera. (v.5). No meio da noite o noivo chega de surpresa, elas escutam uma voz que exclama alto: “O noivo está chegando, ide ao seu encontro!” (v.5) As que eram previdentes traziam consigo o óleo e foram ao encontro do noivo, as que eram imprevidentes não tinham óleo suficiente e a qualquer momento as suas lamparinas poderiam apagar. Pediram então as que tinham óleo de reserva para que lhes dessem um pouco, mas não poderiam, pois assim acabariam também as suas reservas. Então elas saíram, e foram comprar na última hora mais óleo para assim seguirem para a cerimônia. Mas não deu tempo e a porta foi fechada pelo próprio noivo, que depois falou que não as conhecia!

Trata-se de um evangelho com muitos significados, mas quero nesta reflexão aprofundar em um, que é fundamental para à leitura: a importância do óleo, que simbolicamente Jesus narra nesta parábola. Ambos os grupos tinham consigo o óleo, mas apenas as cinco previdentes estavam preparadas para uma possível demora ou atraso do noivo.

O que seria então este óleo? Numa visão espiritual, podemos dar nome e chamá-lo de amor! As que estavam preparadas, puderam assim adentrar para o banquete do cordeiro, porque perseveraram no amor, mesmo com a demora do noivo. As que eram “imprevidentes”, sinônimo de insensatas, se acomodaram e se cansaram de esperar, e quando escutaram que o noivo estavam chegando tentaram “amar novamente”, mas já era tarde demais a porta se fechou! Portanto, Jesus neste evangelho nos fala da importância não somente de amar, mas de perseverar neste amor, aguardando a sua chegada.

Como amigos ou amigas da noiva que é a sua Igreja, possamos juntos participar de seu banquete nupcial iluminando, com as lamparinas do amor, nosso cortejo.

Rafael Neves
Missionário e seminarista Doce Mãe de Deus