Notícia

Vaticano: «Fomos criados para amar e ser amados» – Papa Francisco

PAPA FRANCESCO

ANGELUS

Praça de São Pedro
domingo, 29 de outubro de 2017

Multimídia ]


 

Caros Irmãos e Irmãs, Bom dia!

Neste domingo, a liturgia nos apresenta uma peça evangélica curta, mas muito importante ( Mt 22 : 34-40). O evangelista Mateus relata que os fariseus se reúnem para testar Jesus. Um deles, um doutor da lei, responde a esta pergunta: “Mestre, na Lei, qual é o grande mandamento?” (V. 36). É uma pergunta insidiosa, porque mais de seiscentos preceitos são mencionados na Lei de Moisés. Como distinguir, entre todos estes, o grande mandamento ? Mas Jesus não hesita e responde: “Você amará o Senhor seu Deus com todo o seu coração, com toda a sua alma e com toda a sua mente”. E ele acrescenta: “Você amará o seu próximo como você” (v. 37.39).

Esta resposta de Jesus não é tida como garantida, porque entre os muitos preceitos da lei judaica, os mais importantes foram os Dez Mandamentos, comunicados diretamente por Deus a Moisés, como condições da aliança de aliança com o povo. Mas Jesus quer deixar claro que, sem o amor de Deus e do próximo, não há fidelidade verdadeira a essa aliança com o Senhor. Você pode fazer muitas coisas boas, fazer tantos preceitos, tantas coisas boas, mas se você não tem amor, isso não funciona.

Isso é confirmado por outro texto do Livro do Êxodo, conhecido como o “Código da Aliança”, onde se diz que não se pode aguentar a Aliança com o Senhor e maltratar aqueles que gozam de sua proteção. E quem são esses que gostam de sua proteção? A Bíblia diz: a viúva, o órfão e o estrangeiro, o migrante, isto é, as pessoas mais ensolaradas e desamparadas (cf. Es 22 : 20-21). Respondendo aos fariseus que o questionaram, Jesus também procura ajudá-los a colocar a ordem em sua religiosidade, a restabelecer o que realmente importa e o que é menos importante. Jesus diz: “A partir destes dois mandamentos dependem de toda a Lei e dos Profetas” ( Mt.22:40). Eles são os mais importantes, e outros dependem desses dois. E Jesus viveu sua vida tão bem: pregar e operar o que realmente importa e é essencial, isto é, o amor. O amor dá impulso e fecundidade à vida e ao caminho da fé: sem amor, a vida e a fé permanecem estéril.

O que Jesus propõe nesta página evangélica é um ideal maravilhoso que corresponde ao desejo mais autêntico de nosso coração. Na verdade, fomos criados para amar e ser amados. Deus, que é amor, nos criou para fazer parte de sua vida, ser amado e amá-Lo, e amar com ele todas as outras pessoas. Este é o “sonho” de Deus para o homem. E, para realizá-lo, precisamos de sua graça, precisamos receber em nós a habilidade de amar que vem do próprio Deus. Jesus nos oferece na Eucaristia precisamente para isso. Nele, recebemos Jesus no enunciado de seu amor, quando Ele se ofereceu ao Pai para a nossa salvação.

A Virgem Santa nos ajuda a receber em nossas vidas o “grande mandamento” do amor de Deus e do próximo. Na verdade, mesmo que o conheçamos desde que fomos filhos, nunca acabaremos convertendo-se e colocando-o em prática nas diferentes situações em que estamos.


Depois do Angelus

Queridos irmãos e irmãs,

ontem em Caxias do Sul, no Brasil, foi proclamado o Beato João Schiavo, padre do Giuseppini del Murialdo. Nascido nas colinas de Vicenza no início dos anos 1900, um jovem sacerdote foi enviado ao Brasil, onde trabalhou com zelo para servir o povo de Deus e a formação religiosa e religiosa. Seu exemplo nos ajuda a viver plenamente a nossa adesão a Cristo e ao Evangelho.

Saúdo calorosamente todos vocês, peregrinos italianos e vários países, especialmente os de Ballygawley (Irlanda), Salzburgo (Áustria) e a região de Traunstein e Berchtesgaden (Alemanha). Saúdo os participantes na Conferência dos Institutos Seculares italianos, que eu encorajo no seu testemunho do Evangelho no mundo; e a Fidas Blood Donor Association de Orta Nova (Foggia). Eu vejo que há colombianos lá!

Saúdo a comunidade togola na Itália, bem como a venezuelana com a imagem de Nossa Senhora de Chiquinquirà, a “Chinita”. Para a Virgem Maria confiamos as esperanças e as expectativas legítimas dessas duas nações!

Desejo a todos um bom domingo. Por favor, não esqueça de orar por mim. Bom almoço e adeus!

Fonte: Vatican.Va – Site oficial do Vaticano