Notícia

Devoções Marianas: As sete dores de Maria

Fonte: Internet

“Jesus revelou à Beata Verônica de Binasco, que lhe agrada mais ver a Sua mãe consolada do que Ele próprio”. Disse-lhe: “Minha filha, as lágrimas derramadas pela minha Paixão são-me queridas, mas como amei a minha mãe Maria com um amor imenso, a meditação sobre os tormentos que ela suportou com a minha morte é-me ainda mais agradável.

Em Fátima, em 13 de junho de 1917, Nossa Senhora disse aos três pequenos videntes, Lúcia, Francisca e Jacinto: “Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração”.

São Alberto o Grande disse: “Assim como temos uma grande obrigação para com Jesus pela sua Paixão, suportada por amor a nós, assim temos uma grande obrigação para com Maria pelo martírio que ela sofreu voluntariamente pela nossa salvação, na morte do seu filho”.

“A Paixão de Jesus começou com o seu nascimento. Da mesma maneira Maria, em todas as coisas semelhante ao seu filho, suportou o seu martírio ao longo da sua vida”… S. Bernardo.

“Os mártires suportaram o tormento nos seus corpos. Maria sofreu na sua alma”… Santo Afonso Ligório.

O Papa Bento XIII em 1724, promulgou e recomendou a prática da devoção às dores de Nossa Senhora, ao conceder muitas indulgências para quem rezar o Terço das Sete Dores.

As dores de Nossa Senhora, são comemoradas duas vezes por ano no Calendário Litúrgico: em 15 de setembro e na sexta feira antes do Domingo de Ramos. São elas:

1ª Dor: A profecia de Simeão, que uma espada de dor iria trespassar o coração da Virgem Imaculada.

2ª Dor: Por causa da terrível perseguição do sanguinário Herodes, Maria foi obrigada a fugir com seu divino Filho para o Egito e lá ficar desterrada por alguns anos.

3ª Dor: A aflição de três dias, procurando o Menino Jesus, que aos 12 anos de idade havia ficado no templo de Jerusalém discutindo com os doutores da lei.

4ª Dor: O encontro da mãe dolorosa com seu divino Filho Jesus, ensanguentado, carregando a pesada cruz rumo ao calvário.

5ª Dor: A bárbara crucificação, tremenda agonia cerca de três horas e a morte de seu adorável Jesus.

6ª Dor: Quando a Virgem Maria recebeu nos braços o corpo de Cristo inteiramente lavrado pelas chicotadas, chagado pelos cravos e pela lança.

7ª Dor: A participação no sepultamento do Sagrado Corpo do Adorável Filho Jesus, ficando em triste solidão.

Há grandes benefícios espirituais por esta devoção. As graças e as promessas concedidas a quem praticar a devoção a Nossa Senhora e às suas dores são muito grandes.

A pedido de Nossa Senhora, em 1239 os sete fundadores da Ordem Religiosa dos Servos de Maria (ou Servitas) formaram uma ordem dedicada à prática e a difusão da devoção das dores sofridas por Nossa Senhora na vida, Paixão e Morte do seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, e dedicaram-se a promover entre todos os católicos a devoção de meditar nas Sete Dores de Nossa Senhora, introduzindo o Terço (ou pequeno Rosário) das Sete Dores da Santíssima Virgem Maria.

Dojalla Santos Gouveia
Membro Consagrado Doce Mãe de Deus